quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

A dor da ilusão



Minha alma dói a dor que deveras quem sabe um dia sentir.
O meu corpo geme a procura de uma saída desse cárcere ao qual me encontro.
Minha pele sangra a ferida não cicatrizada do meu ente.
Meu coração sente a falta do que nunca tive e que hoje acabo por perder.
Doce ilusão amargurada, viver de ilusões.

Sinto-me pobre, desfigurada, em busca de um consolo inconsolável.
Penso alcançar a ilusão procurada dentre as tantas que procuro.
Vivo de ilusões.
Somente ilusões.
E que ilusões!
Vivo...

Vivo a ilusão de sofrer por amor...
No fantasmagórico mundo da ilusão e da dor.
Busco a saída em mim,
Mas de quê adianta?
Se encontro-me presa a minha própria moldura esculpida
Na ilusão eterna de meus dilemas e de meus sonhos...
Sou apenas uma alma sofrida que ainda não cicatrizou.



♥Astréia♥

13 comentários:

Vinícius de R. Rodovalho disse...

Me lembrou bastante o Simbolismo! Esse sentimento de "desajustado" e de falta de liberdade, bem como essa musicalidade "ilusória", por assim dizer, lembram-me bastante tal escola literária.

Quanto ao tema, eu também tenho vivido com alguma ilusões. Principalmente no amar. E até mesmo no escrever. Mas quem sabe seja melhor?

P.S.: No primeiro verso, não seria deverás, ao invés de deveras?

Nat Valarini disse...

Bom dia!

Gosto muito de visitar blogs onde posso encontrar poesia!

Não são todos que tem este dom. Sim, um dom!!!

Talento maravilhoso e explorado por poucos.

Vc tem um grande diferencial para escrever.

Ler isto foi sublime.


Kiso

=*



http://garotapendurada.blogspot.com/
_________________________________________

Joshua disse...

Só o nome do post já diz tudo!

marcos memc disse...

Uau.,

muito bom isso.
deu pra perceber que tem bastante historia atraz disso.
bastante sentimentoo..

parabens pelo blog.
bjo

renato disse...

Lindo, lindo, lindo...

Nossa, isso daí é o que é uma coisa boa de ser ler. Parece que todo mundo já passou por uma coisa assim...É como se estivéssemos nas entre linhas desse "poema".


Um abração!

F. Grijó disse...

Uma mistura de Fernando Pessoa - no início - com a dor dos ultra-românticos.
Mas há um porém: a língua é seu instrumento. Mais cuidado com ela.
É só um toque, com a melhor das intenções.

Abraço

Nin@ disse...

Lindo... e tb sofrido, né?!

"Enquanto não superarmos
a ânsia do amor sem limites,
não podemos crescer
emocionalmente.

Enquanto não atravessarmos
a dor de nossa própria solidão,
continuaremos
a nos buscar em outras metades.
Para viver a dois, antes, é
necessário ser um."

O meu blog é novo e tb estou colocando poemas... textos... enfim td aquilo q vem da alma:

http://semprefrenteafrente.blogspot.com/

LADY DARK ANGEL disse...

bem sofrido
vc escreve bm

Bia *~* Ballu disse...

Ilusão é o que rege os dias de hoje, na minha opinião, a nosssa humilde existência =p


http://www.alacarte-domeujeito.blogspot.com/

ariane disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ariane disse...

Parabéns por saber escrever frases tão belas!!!

edmilson disse...

Um espaço de elaboração e conquista de pequenos pedaços da minha existência. A luta diária de uma prosa que vive da dor. E de uma dor que sobrevive por palavras

izanete disse...

Que profundidade!Você realmente escreve com a alma! Posso perceber um pouco da angustia kierkegaardiana neste poema.Parabéns! Seus poemas são d+!!!