segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Poema Inato



Palavras não ditas.

A pura beleza...
a essencialidade originária da escrita vivenciada
em sua mais remota existência.
O amor do amar.
O desejo de...
escrever sem pensar-pensando,
notadamente sentindo a delícia
metafísica da linguagem
e sentindo o sentido insensível do poema...
Do poema que já surgiu comigo,
das palavras impronunciadas, sem simetria,
que nasceram quando nasci,
das estrofes desconexas,
do sentido mais profundo,
da melancolia e da dor essencial...
A escrita não diz muita coisa.
Apenas transmite o imaterial desejo
de disseminar um sentimento profundo e silencioso
grudado em meu ser.
Todos os poemas surgem dele.
Divagam, saem, e voltam para ele.
O poema que sou.
O poema profundo e superficial que sou.




>Narciso<

27 comentários:

Anônimo disse...

Esse poema foi escrito sob medida pra eu não poder interpretar de forma caricata né? HEUHEUHEUHE

Muito bom mesmo, conseguiu escrever de forma que eu não tive como rir em cima... Droga u_u'

Quanto ao anterior. Então enterpretei-o erroneamente, não cheguei a pensar nessa interpretação que deste agora, gostei muito dela também... E bom, eu como portador de certas desordens psiquiatricas complicadas digo que retratou de forma muito interessante a loucura xD

Rosangela A. Santos disse...

Sem palavras achei perfeito.
Palavras bem colocadas e uma sensibilidade!!!
Adorei..

Parabéns!!

danisiinha disse...

adoreiiii....

o poema que sou! essa farse em si só ja vale a leitura , é curta e diz tudo...

Bike Machine disse...

F..dido muito bom

Anônimo disse...

Se expressa muito bem querida!
Parabéns.

Júlia disse...

mto legal o poema! bonito mesmo!
passa no meu blog qdo der: http://juliagravina.blogspot.com
;)
ahhh,e virei sua seguidora, vire a minha tbm?
abraço!

Gutt e Ari disse...

No fim, todo mundo tem um "Q" de mistério, de mascarado, de superficial. Em algum momento da vida será dissimulado, atrapalhado, surreal...rsrs

Pedro Junior disse...

olá bacana adorei, eu gosto mt de poemas, de escrever e de ler tmbm
bacana. voltarei...


http://blogpedrojunior.blogspot.com/

ótimo final de semana

Allyne disse...

Perfeito!

cariocax disse...

muito bom poema...^L^

POde entrar é de graça e não use drogas:

BLOG>>>> http://cariocax.blogspot.com/ e

twitter>>>> http://twitter.com/cariocaxblog

Keffey disse...

Lindo o poema! *-*
Vim agradecer por ter comentado em posts do meu blog.. andei meio afastado, então só vim agradecer agora rs...
Parabéns pelo blog, muito bom :D

balzac disse...

seu texto me fez lembrar o famoso texto de drummond...

"pára e contempla as palavras
cada uma contém mil faces secretas"

adorei o blog e o poema...

Lucas Alsil disse...

auhasha, profundoo !

Thalisson Teixeira disse...

Poxa, q talento!!!
Sucesso

Tiago Dadazio disse...

sao palavras de uma bela alma!

Edilaine disse...

Adorei o poema, vc tem talento!!!

Zoadao.blogspot.com disse...

quem eh o autor ?

Simon Broenni disse...

Muito linda a forma de expreçao atravez do poema, pra mim que estudo teatro nossa, lindo..

Nahim disse...

caramba *-*

muito bom o poema (Y), Parabens pelo seu blog

http://osobrevivent.blogspot.com/

Junior disse...

Olá.
.
Acho que vc exagerou um pouco no pleonasmo, e na redundancia. Sei que fez isso de propósito, pois o pleonasmo não é vicioso.

Maso texto está bom sim, a descrição em detalhes é sempre uma boa para poemas que nos levam a imaginar o meio que se refere.

Parabéns. Atéa próxima visita.

JB Free disse...

bonito demais o poema.

Junior disse...

Eai, eu comentei, e vc disse que eu tinha dado calote. Cadê você no meu?

iti disse...

palavras esquecidas debaixo da areira...
sao elas escritas na pedra...
que encobre escuridao de uma vida passsada
http://www.maquinazero.com.br/

Jнσиαтαи disse...

Não importar o quanto vai durar ,
mais sim o quanto vamos
aproveitar !

www.cryofjoy.blogspot.com

Cayo Nauan Siqueira disse...

lindo o poema, a palavra é a arma ou a carícia mais forte que oser humano tem depende de como usada





http://nomundodosreality.blogspot.com/

Felipe Marcato disse...

basicamente um sentimento profundo representado com palavras pensadas, sem pensar

Rafa disse...

Esse poema está ainda melhor que o primeiro, casou be com a imagem, tem até um certo ar de bostalgia!