quarta-feira, 16 de julho de 2014

O poema que eu não sei


O poema que eu não sei
Nasce sem saber
Rima na esquina
Chama e desatina
Vem do apagão a me lumiar
Some no clarão para eu chamar

O poema que eu não sei
Beira a exaustão
Chega de mansinho
Sem saber que é ninho
Ousar não falar
Diz sem perceber
Fala sem querer

O poema que eu não sei
Flui igual melaço
Surge de carinhos
Feito de pedaços
Canta o amor
em um só compasso

O poema que eu não sei
Cheira a você.

2 comentários:

Anônimo disse...

Gostei muito , vou já copiar , pra seduzir meu amor ....

Astréia e Narciso disse...

Ok, mas não esquece de dá créditos a obra! :)