terça-feira, 26 de julho de 2011

Indignação


Fúria que embriaga-me sozinha,

raiva, sentimento, ira,

angústia, dilema,

fúria, situação e problema.


Preciso externar o meu sentir,

falar o que se cala,

dizer o que não digo,

preciso soltar essas amarras.


Pretendo gritar a dor da alma,

varrer a sujeira,

cuspir no ser amorfo,

pretendo escarnecer o moço.


Saída não há!

Só devo entrar,

Sair para quê?


Devemos nos mover,

saibamos lutar e enfrentar,

sabemos viver,

queremos morrer?

8 comentários:

observador disse...

Olá
Parabéns pelo blog e pelo texto. Ficou muito bom.

lollyoliver disse...

Ficou divino! Muito bom mesmo! Parabéns pelo blog.

Astréia disse...

Obrigada ^^ Fico feliz que tenha gostado...

Marthin Thiago disse...

Belo texto. Parabens, adorei o blog. Estou te seguindo, se puder me seguir de volta, agradeço. =)

http://infostartnet.blogspot.com/

▄▀IpInforMundo▀▄ disse...

Belas palavras..sábias e verdadeiras...bem originais..gostei...parabens pelo blog..

seguindo..sucesso..abraço


http://ipinformundo.blogspot.com/

Amanda Moreira disse...

Adorei o texto e o Blog!
Já estou seguindo ^^

Dá uma passadinha no meu também:
http://doblushaosalto.blogspot.com/

bjks!

Robson Ojuarah disse...

furia é o combustivel para se busca a verdade e justiça na vida.. gostei dos versos.


se possível, visite meu blog

www.semente-terra.blogspot.com

Valdemar Neto disse...

Um poema tão sintético com relação às questões da vida alidadas à catarse! Fantástico!