quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Música

quinta-feira, novembro 03, 2016 0 Comments

Ando tão só
É bom por que sinto falta de você
Concordo com a solidão
Ela afirma todo amor
Não que eu pensasse o contrário

Corro tão só
Sei que nunca vou me acostumar
Dispenso novas emoções
Me atrapalho, desconfio
Dos efeitos dessa ausência

Dos meus dias
Vida fácil
Dos meus dias
Vida frágil, sem você

Ando tão só
É bom por que sinto falta de você
Concordo com a solidão
Ela afirma todo amor
Não que eu pensasse o contrário

Corro tão só
Sei que nunca vou me acostumar
Dispenso novas emoções
Me atrapalho, desconfio
Dos efeitos dessa ausência

Dos meus dias
Vida fácil
Dos meus dias
Vida frágil

Dos meus dias
Vida fácil
Dos meus dias
Vida frágil, sem você

Dos meus dias
Vida fácil
Dos meus dias
Vida frágil

Dos meus dias
Vida fácil
Dos meus dias
Vida frágil, sem você

Paro de vez
Não tenho mais por que continuar
Sozinha vou me acabar
Nessa espécie de tortura
Que esvazia o coração

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Como vai você?

segunda-feira, setembro 05, 2016 0 Comments

Ela tinha todos os motivos do mundo para estar na fossa e de se sentir despudoramente brega. O tempo estava nublado e a precipitação se antevia pelas janelas da sala. Fazia frio de bater os queixos. Ela estava desempregada havia alguns dias. O seu cabelo se revoltou contra qualquer tipo de penteado, naquela manhã. Da mesma forma, a cólica se fez sentir, fazendo-a despertar mais cedo do que o despertador do celular, com aquela musiquinha irritante de todos os dias. Na mesa, dezenas de contas para pagar. E, além de tudo isso, no final daquela manhã - depois de ter deixado a torrada cair com o lado da manteiga para baixo, no café da manhã, e de ter queimado o arroz, no almoço - recebeu a notícia do rompimento do noivado de cinco anos. Pelo WathsApp.
- Covarde! – ela pensou em responder assim, com algumas exclamações a mais, mas somente berrou tal palavra ao lançar o celular contra a parede. Por um instante ela pensou em se matar e acabar logo com aquele inferno astral que a perseguia naquele dia, mas logo refutou tal possibilidade extrema. Talvez por medo ou por inconscientemente acreditar que aquilo não passava de uma fase; que a morte não solucionaria nada e seria comparável ao ato de covardia do seu ex-noivo.
Outra ideia era bancar o clichê da mulher ferida e ir para a casa ou para o trabalho do seu ex e fazer aquele escândalo, típico de novela das nove. Ela gritaria, daria uns tapas nele, jogaria pratos e copos no chão, caso estivesse em sua casa, ou rasgaria papéis e quebraria computadores caso o encontrasse em seu escritório. No meio do quebra-quebra ela soltaria um “Quem é ela?” ou “Qual o nome da vadia?” ou ainda “Como pôde terminar comigo pelo WathsApp!?” Mais que vingança, que desabafo desesperado, depois do abandono, aquilo tudo seria um ato libertador. Ao fazer aquele espetáculo do ridículo ela estaria proclamando liberdade. Porém, ela também recusou tal possibilidade. Bancar a louca rejeitada não era uma máscara que ela certamente usaria. Talvez por vergonha ou por orgulho.
Nem o suicídio, nem o urro felino. O que lhe sobrou foi o clichê da rejeitada resignada. Deitada no sofá, comendo brigadeiro aos montes, ela escolheu o existencialismo tropical. Escolheu ser brega. Exalar melancolia pelos poros. Ouvir “Como vai você?”, na voz de Antônio Marcos, muito ajudava na sua atuação digna de Oscar. Ela estava na fossa. Ela podia chorar, sem comedimentos. O soluço, nesse caso depois do choro aos borbotões, também era bem-vindo. Ela podia usar a colher de pau como microfone, na hora do refrão, não se importando com o encontro das lágrimas com as marcas de chocolate em suas bochechas. Tudo confabulava para que aquele entardecer fosse realmente deprimente. Ela se sentia a própria depressão encarnada.
Ela conseguiu comer todo o brigadeiro e cantar a mesma música dezenas de vezes. Até que veio a noite e com ela, o sono, e com ele, o sonho, e nele um sol nascia. Ela estava deitada no peito do ex, que era seu marido, após a noite de núpcias. Ébria de felicidade, de segurança, de saciedade e de uma forma diferente de breguice.
“Como vai você?” soava e ressoava enjoada entre o sol do sonho e a noite fria e chuvosa da realidade. A colher de pau caiu de uma de suas mãos.

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Presente de Deus

quarta-feira, agosto 17, 2016 0 Comments




Nesse dia especial os anjos Juraram fidelidade
Teve festa nO céu para celebrar o seu nascimento
Todos se rejubilaram Nesta hora
As estrelas e os plAnetas brilharam mais reluzentes
As órbiTas se olharam mais freneticamente
Gestos e Honrarias não faltaram
Para celebrar o Amor sempiterno
E homenagear o preseNte de Deus.


terça-feira, 26 de julho de 2016

Eu sei?

terça-feira, julho 26, 2016 0 Comments




Sei onde você está,
Ontem mesmo te avistei ao longe e quis me aproximar,
Mas não tive coragem de me revelar,

Eu sei onde você está,
No meu pensamento a ti procurar,
Nas mãos de um menino perdido no mar,

Sei por onde você passou,
Te vi anteontem em alto mar,
presente em meus sonhos a me abençoar.

Eu sei onde você pousou
Por lugares bonitos a se encantar
Lembranças eternas pra te recordar.

Sei onde mora seu afeto,
No cume recôndito do amor,
Na brisa leve do meu Senhor,
Na mais bela expressão de dor.

Eu sei onde plaina o teu coração
Em lugares perdidos no espaço
Ou na mais perfeita equação


Eu penso saber que sei!

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Golpe

segunda-feira, maio 23, 2016 0 Comments


Arrastado, o a apareceu.
Melancólico, o m se moveu.
Obnubilado, o o sorriu.
Resignado, o r surgiu.
Golpeado de todas as formas,
descabelado ao raiar do dia,
o amor deveria constar
despoetizado na poesia.

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Eu amei

segunda-feira, abril 04, 2016 0 Comments


Ei vi o amor.
Aquele que os poetas professam sem pudor,
e os amantes vivenciam sem medo.

Eu vi o amor.
Em cada palavra escrita,
em cada imagem escolhida.

Eu vi o amor.
No toque suave do beijo,
na pureza dos sentimentos.

Eu vi o amor.
Nos pequenos detalhes,
nos gestos, na observação sentida.

Eu vi o amor.
Na simplicidade dos atos,
na timidez refletida.

Eu vi o amor.
E de tanto vê-lo,
Eu amei!

,

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Eu vi você

domingo, fevereiro 21, 2016 0 Comments




Ah, quando pensei que não havia o que esperar
Aconteceu
Quando julguei que o marasmo era meu lar
Apareceu
A luz do seu olhar
Ah, meu niilismo já perdia seu porquê
E assim meu pessimismo começava a esmaecer
Inocência
De amar sem fim
Transfigurado
Pela visão me entreguei
Eu vi você
E amei você
Até o amanhecer
Me reclinei
E repousei
No seu peito nu.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

7 anos

sexta-feira, janeiro 29, 2016 0 Comments





Há 7 anos uma história linda começou. Um momento mágico, sublime, único.
Foram passos dados juntos em uma mesma direção, com ele o desejo de se reinventar e descobrir olhares, sorrisos, encantos, desejos poéticos encontrados nas PALAVRAS e nos DEVANEIOS.
Sete anos de blog...
Que nunca nos falte inspiração e se acaso aconteça, possamos clamar aos céus um traço de luz, um pouco de cruz, um tanto de sentimento que nos conduz.  Sempre no caminho do AMOR e da POESIA.
Obrigado a todos que passaram e passam por aqui, sejam bem-vindos e voltem sempre!